sexta-feira, junho 20, 2008

--------------------------------------------

Este é o meu estado quanto ao resultado da participação da Selecção neste Euro.


--------------------------------------------------------------------------------


Não vou comentar, vou-me abster, ficar caladinha, não dar um pio, não dizer um ai, nem dar um p... sequer.


Estou furiosa, furibunda, f...ecundada (para não dizer f...d...da mesmo) com estes gajos.


Por isso, xiu... ssussugadita! Não mexe, não respira!


terça-feira, junho 17, 2008

Retalhos da vida de uma GAJA


Dois ex-gajos (um mais ex que outro e outro mais GAJO do que gajo) encontram-se num curso de formação.

Um do Norte outro do Sul de Portugal, pertencentes ambos a mesma força policial (sim, tenho queda para as fardas), cruzam-se no centro do País e vêem, pela 1ª vez, a fronha do seu ex-rival.


Conversa tida nesse momento:


GAJO 1 - Desculpa, percebi bem? Tu chamaste B...?

Gajo 2 - Sim, porquê?

GAJO 1 - Eu sou o J...

Gajo 2 - Ahhhh... não estou a perceber onde queres chegar...

GAJO 1 - Conheces uma rapariga chamada Kikas?

Gajo 2 - Sim, conheço porquê? Tu também?

GAJO 1 - Conheço. Mas não é dessa maneira que pareces estar a pensar!


Ah Ah Ah Ah Ah Ah!!!!

Rebolei-me a rir!

sexta-feira, junho 13, 2008

Noruega... dá que pensar!

Dia após dia nos vemos confrontados com o decréscimo do nível de vida pelos consequentes aumentos dos nossos bens e serviços. Pedimos incessantemente ao Estado que nos valha e acuda. Mas... não nos caberá a nós mesmos, cidadãos de um estado democrático, fazer alguma coisa por isso?

Deixo-vos aqui um e-mail que recebi de um familiar, para vossa reflexão.

"Na Noruega, o HORÁRIO DE TRABALHO COMEÇA CEDO (às 8 horas) e ACABA CEDO (às 15.30). As mães e os pais noruegueses têm uma parte significativa dos seus dias para serem pais, para proporcionar aos filhos algo mais do que um serão de televisão ou videojogos. Têm um ano de licença de maternidade e nunca ouviram falar de despedimentos por gravidez."

"A riqueza que produzem nos seus trabalhos garante-lhes o maior nível salarial da Europa. Que é também, desculpem-me os menos sensíveis ao argumento, o mais igualitário. TODOS DESCONTAM UM IRS LIMPO E TRANSPARENTE que não é depois desbaratado em rotundas e estatuária kitsh, nem em auto-estradas (só têm 200 quilómetros dessas «alavancas de progresso»), nem em Expos e Euros."

"É tempo de os empresários portugueses constatarem que, na Noruega, a fuga ao fisco não é uma «vantagem competitiva». Ali, o CRUZAMENTO DE DADOS »DEVASSA» as contas bancárias, as apólices de seguros, as propriedades móveis e imóveis e as «ofertas» de património a familiares que, em Portugal, país de gentes inventivas, garantem anonimato aos crimes e «confundem» os poucos olhos que se dedicam ao combate à fraude económica."

"Mais do que os costumeiros «bons negócios», deviam os empresários portugueses pôr os olhos naquilo que a Noruega tem para nos ensinar. E, já agora, os políticos. Numa crónica inspirada, o correspondente da TSF naquele país, afiança que os MINISTROS não se medem pelas gravatas, nem pela ALTA CILINDRADA das suas frotas. Pelo contrário, ANDAM DE METRO, e não se ofendem quando os tratam por tu. Aqui, cada ministério faz uso de dezenas de carros topo de gama, com vidros fumados para não dar lastro às ideias de transparência dos cidadãos. Os ministros portugueses fazem-se preceder de batedores motorizados, poluem o ambiente, dão maus exemplos e gastam a rodos o dinheiro que escasseia para assuntos verdadeiramente importantes."

"Mais: os noruegueses sabem que não se «projecta o nome do país» com despesismos faraónicos, basta ser-se sensato e fazer da gestão das contas públicas um exercício de ética e responsabilidade. Arafat e Rabin assinaram um tratado de paz em Oslo. E, que se saiba, não foi preciso desbaratarem milhões de contos para que o nome da capital norueguesa corresse mundo por uma boa causa."

"Até os clubes de futebol noruegueses, que medem forças aos seus congéneres lusos em competições internacionais, NUNCA precisaram de pagar aos seus jogadores 400 SALÁRIOS MÍNIMOS POR MÊS para que estes joguem à bola. Nas gélidas terras dos vikings conheci empresários portugueses que ali montaram negócios florescentes. Um deles, isolado numa ilha acima do círculo polar Árctico, deixava elogios rasgados à «social-democracia nórdica». Ao tempo para viver e à segurança social." "Ali, naquele país, também há patos-bravos. Mas para os vermos precisamos de apontar binóculos para o céu. Não andam de jipe e óculos escuros. Não clamam por messias nem por prebendas. Não se queixam do «excessivo peso do Estado», para depois exigirem isenções e subsídios."

Sim, a Noruega é um dos melhores países da Europa para se viver. Mas os seus nativos fazem por isso também! Não há lá Tuguinhas (no sentido depreciativo do adjectivo)...

Sim, eu também sei que sou uma chata.

sábado, junho 07, 2008

Dia NIM...

Motivo para dia SIM: Joga a Selecção e estou aqui a fazer a contagem decrescente!

Motivo para dia NÃO: acabei de perceber que a minha mãe já não é o que era... a idade tornou-a esquecida de tudo. Inclusivamente dos valores que me ensinou... é triste.

quarta-feira, junho 04, 2008

Rapidinhas!

Chegou o dia dos portugueses perceberem como se podem tornar mais europeus (já que só o que se faz lá fora é que é bom...) e tomarem consciência do real preço do petróleo nas suas vidas.
Daí que há uns dias que ando a recolher estes apontamentos noticiosos, já que a minha criatividade para a escrita foi "ceifada" pela minha prof de Comunicação (ver 2 posts abaixo), e pelo que irei apenas comentar cada um deles, cá à minha moda.
Óspois, quem quiser atirar as suas postas de pescada, é à vontadinha, sim?
Porreiro, pá!
'bora lá, atão!
Quatro autarquias da região de Lisboa lançaram um desafio aos funcionários, propondo incentivos para se deslocarem para o trabalho apanhando boleia de colegas, uma alternativa que permite poupar no combustível e melhorar o ambiente, refere a «Lusa».
O sistema, conhecido pela palavra inglesa «carpooling», implica a partilha do automóvel entre pessoas que residem próximo e se deslocam para os mesmos sítios.
As quatro câmaras municipais (Barreiro, Lisboa, Loures e Odivelas), que apoiam o site www.carpool.com.pt, têm uma área personalizada para os seus funcionários, permitindo o registo de utilizadores limitado apenas a quem tenha um email da instituição, entre outras funcionalidades.
Para incentivar os colaboradores, as autarquias oferecem estacionamento gratuito nos parques municipais aos «carpoolers». Os Serviços Municipalizados de Transportes Colectivos do Barreiro (SMTCB) e a Fertagus dão aos aderentes a possibilidade de beneficiarem de lugar de estacionamento reservado e acesso privilegiado à estação. No entanto, o reduzido número de interessados impossibilitou a ideia de avançar.
Tugas, eu não sei qual é o vosso problema. Atão a malta não se anda sempre a queixar "Ah e tal, já não há quem aguente isto, o guito vai-se todo... qualquer dia tenho de ir ali pró Monsanto fazer umas horas extraordinárias para ter guito para a gasosa para ir trabalhar!" e depois surgem estas oportunidades e a malta marimba-se para elas? Eu já estou inscrita neste site p'raí há uns 3 meses e até agora não soube de mais ninguém que tivesse aderido apesar de saber que há vizinhos meus que utilizam o carro para ir até ao Metro (como eu) - pronto, ok, também não sou um GRANDE exemplo mas faço um esforço!
E esta autarquia do Barreiro também é burra! Foram poucos, certo, mas a coisa aos poucos vai-se compondo. De boca em boca, a coisa vai-se espalhando e como todos temos tendência para macaquinhos de imitação ("Eh pá, se o gajo tem eu também quero ter.... se o gajo faz, eu também quero fazer... SE A EUROPA FAZ, EU TAMBÉM QUERO FAZER...")
Continuação da mesma notícia:
O IKEA é talvez a primeira empresa em Portugal a pôr em prática um sistema similar. Fonte da empresa adiantou que muitos colaboradores aderiram já esta modalidade que está implícita na política da própria empresa.
Houve mesmo um caso em que «alguns colaboradores juntaram-se e compraram um carro para partilhar o transporte», adiantou a mesma fonte, acrescentando que estão a ser preparadas mais medidas no âmbito da responsabilidade social e ambiental da multinacional sueca.
in PortugalDiário, 04/06/08
Sabeis que o Sr. Ingvar Kamprad, dono da IKEA e, segundo a revista Forbes, com um património de quase 20.000 milhões de € anda de AUTOCARRO? E como ele há outros que tal. Ministros incluídos... dinamarqueses e holandeses que vão para o "trabalho" de... bicicleta! "Ah e tal mas a Europa é mais segura!" É, é... muuuuuuuiiiiiiiitttttttttoooooooo mais segura! Faz agora 8 anos que estive de estágio em Itália e, para onde quer que fosse em Pádua, ou ia de bicicleta ou de autocarro. Eu e mais de 50% da gente daquela cidade. Mas lá não vivem só italianos e estudantes de Erasmus. Está pejadinha de extra-comunes (extra-comunitários, como eles chamavam aos imigrantes de Leste e Marrocos) e as sirenes dos Carabinnieri não se calavam o dia todo!
Portanto, patrãozinho (meu e vosso) e "patrõezinhos" em geral, para vires da Avenida da Igreja até à Avenida da Liberdade não precisas tirar o Mercedes da garagem. Tens Metro à porta de casa e à porta do escritório. Por acaso tens mais de 20.000 milhões na conta como o patrão do IKEA? Não tens! E gostavas de ter, não gostavas? Atão deixa o c...... do carro em casa!
São os impostos e não os "cartéis" que põem o combustível mais caro. Relatório da Autoridade da Concorrência conclui que não há cartelização de preços. Ainda assim, ministro vai exigir à Galp que torne pública a estrutura de custos e proveitos dos combustíveis líquidos. Baixar IVA e ISP está fora de questão.
Este é um dos títulos de hoje do jornal METRO. Não me dediquei a transcrever na integra a notícia toda porque, com o meu comentário a seguir, isto não fica um post... fica um testamento!
Bem, por um lado não acredito muito que não hajam "cartéis". Isto porque a estrutura de abastecimento petrolífero é, se não me engano e corrijam-me faxavor se estiver enganada, 100% detida pela Petrogal. Ora falar em Petrogal é falar em Galp e pronto, está visto onde quero chegar. É verdade que as gasolineiras ditas "Marca Branca" fornecem combustível igual ao das "boas" marcas. Porquê é que têm, então, preços mais baixos? Porque reduzem os custos de exploração dos postos e optam por margens de lucro mais baixas. "Ah mas a gasolina é misturada com outros líquidos que não gasolina e que estragam o motor (água, dizem as vozes) e algumas avariam os manípulos de modo a que saia mais ar que combustível!" Não acredito nada na história da água na gasolina porque sei de alguém que abastece regularmente nas Marcas Brancas e nunca se lhe avariou o carro por isso. Tenho é várias experiências pessoais e de amigos de abastecimentos que rendem menos e, curiosamente, ocorreram na mesma bomba da GALP.
Quanto aos impostos, meus amigos, temos de viver com eles. É inevitável. Lembram-se de quando o Governo "amortecia" as oscilações do petróleo com €€ do Tesouro? Nessa altura o petróleo era bem mais baratinho e nós tinhamos um buraco orçamental gigante!!! Daí que agora estejamos a pagar pelos erros do passado e havemos de continuar a pagá-los, senão mudarmos algumas filosofias de vida e atitudes. Pois que o Governo é o grande culpado devido à enorme Despesa Pública, é verdade, mas no meu entender estamos a assistir a um remendar destas situações. Acontece é que com isto foram algumas centenas (milhares?) de funcionários públicos para a Mobilidade Especial, que é o mesmo que dizer, para o olho da rua.
Reduzir os impostos não é a solução, infelizmente, porque os preços não vão baixar na realidade. Essa diferença vai é engrossar as contas aos patrões! Pagar melhor salários com isso? Pois, pois...
Adiante... Espanha é mais barato, tem melhor nível de vida, e blábláblá... quem quiser ir que vá. Eu até me mudava para a fronteira mas não tenho oportunidade... se surgir não me chateio nadinha! Eu até gosto da parvalheira!
Outra (e última que já me dói os dedos!):
Buzinão regressou à ponte 25 de Abril
Associação Democrática de Utentes promove iniciativa contra aumento do preço dos combustíveis e pelo fim das portagens
in PortugalDiário, 02/06/08
Só escrevo o título da notícia porque, como disse, já me doem os dedos e vocês já estão fartinhos de me aturar.
Quando é que percebem que estes aumentos não vão parar? A vida está dificil, e muito, para luxos de ir de carro para o trabalho! A Margem Sul até nem está assim tão mal servida de transportes, pelo amor de Deus! Têm Metro de superfície, têm comboio e barco... por favor!
Vou dar-vos um exemplo prático, e real, de uma amiga minha que morava em Paio Pires e trabalhava no Rato. Com uma filha de 4 anos, entrava às 9h no trabalho. Para as voltas que precisava de dar com a miúda, ela saia de casa às 7h 45 (uma hora a que muita gente dos Cacéms e afins também sai de casa ou antes mesmo até, para fazerem o percurso de carro) e tinha que apanhar 3 transportes para chegar ao trabalho (autocarro, comboio, metro). Demorava 1h 10m a chegar ao trabalho. Ela agora vive em Londres (Europa, mais evoluído e melhor, não é?) e quanto tempo demora ela a chegar ao trabalho? .... 1h 15m... será confusão minha ou ela demora exactamente o mesmo tempo que demorava cá em Lisboa?
Pronto, por agora fico-me que vocês já devem estar cheínhos de mim!
Vou só descansar os dedos e já cá passo outra vez :-))))

segunda-feira, junho 02, 2008

Lembrete!

Porque nunca é demais relembrar que...


Matança de espírito

Tenho uma professora que me castra. Calma, calma! Sim, sou eu, A Kikas, ainda não estão com o neurónio queimado!
Castra-me a palavra, castra-me o discurso, castra-me a imaginação (ou o raciocínio, consoante me sinta mais feliz e aérea ou mais realista e pé-no-chão), castra-me a tentativa de proferir um discurso lógico...

E a castração é tão ou mais incompreensível sendo ela docente de uma licenciatura e de uma disciplina com algum teor de ensino de discurso coerente e querendo ensinar-nos a verbalizar ideias e aumentar a nossa cultura geral pela leitura da escrita de outros, laureados e muito, nestas artes da transmissão de pensamentos e ideias pelas palavras.

Não quero louros, não, nada disso! A minha escrita é aquilo que me flui pelos dedos, que me escorre pelas ideias, que se embrulha nos meus pensamentos (e que embrulhanços de vez em quando!). A minha escrita é o que sou e o que sou, muitas vezes, é um novelo de mim própria. Sou eu voltada para fora, vista do lado de dentro na perspectiva de um prisma olhado de todos os vértices ao mesmo tempo (bolas, miúda, faz lá o desenho que ninguém apanhou nada!)...

E se bem que tento usar a escrita para me desembrulhar dos meus novelos, torna-se mais difícil quando um professor de Expressão Escrita e Comunicação passa a vida a interromper e a criticar o que, para além de cortar a linha de pensamento, quebra a confiança no que se quer dizer. E, claro, Kikas em fúria, espicaçada como que com um ferro em brasa, amarra o burro e já não desenvolve (tem mau-feitio, a menina!)...

Ora se as ideias já são confusas, com estas constantes interrupções e cortes no discurso (escrito ou falado) fica difícil ser simples, concreta, concisa e explanativa. E eu (e vocês) continuamos na mesma: baralhados no contexto!

Sendo conhecida pelo meu mau-feitio, torno-me ainda mais irascível quando não me consigo desembrulhar das ideias e pensamentos, de forma simples e perceptível para os outros. E a fúria vai crescendo por não me conseguir fazer compreender... com alguém sempre a castrar-me o discurso, torna-se difícil adoçar o mau-feitio. Mordo a língua, as bochechas, mordo-me toda por dentro, só para não dar asas à pestinha que há em mim e perder a cadeira com algumas verdades à espreita na ponta da língua!

Não procuro ser um Saramago ou um Eugénio de Andrade, não quero ser um Pessoa ou um Camões. Procuro apenas arrumar ideias e saber partilhá-las. Procuro que compreendam a minha maneira de ser e de pensar e que deixem de olhar para mim como a razinza que está sempre do contra. Porque às vezes até concordo com os outros. Só não consigo é entender-me com eles...

E esta croma, em vez de me ajudar a verbalizar, corta-me a palavra e entope-me a boca destes pensamentos desalinhados!

Fiónix!

P.S.: apesar das semelhanças com outros posts de outros blogs, eu juro aqui de pés juntos (que me caia já uma placa de tecto falso no alto da pinha se estou a mentir) que este post é 100% meu! Tenho testemunhas que presenciaram a escritura deste alinhamento, e em papel, durante a aula de TCE :-))