quarta-feira, janeiro 03, 2007

A Escolha

Um dia escolhi ser feliz.
Atirar para trás das costas os desgostos do passado.
Compreender que certos sonhos são impossíveis de realizar.
Não me preocupar com os “se” que o futuro nos reserva.
Viver a vida como se não houvesse amanhã.
Amar como se nunca tivesse sofrido.

Nesse dia esqueci-me que não se deve viver a vida de olhos fechados.

E entrei num mundo que agora se voltou contra mim.

No dia em que fiz a escolha de viver a vida intensamente e sem preocupações, esqueci-me que tudo o que fazemos agora, daqui a instantes será passado e que não tem volta. Esqueci-me que o passado influencia o futuro. Esqueci-me que poderia voltar a sofrer de novo. Esqueci-me de mim...

Agora encontro um beco escuro, onde a saída é voltar atrás e fazer tudo de novo. Só que desta vez não há o mesmo entusiasmo. É difícil recomeçar. E o caminho é tão escuro que tenho medo de vir a encontrar um buraco que me faça cair.

Quando escolhi amar novamente e intensamente, sofri.
Quando fechei os olhos aos “se” do futuro, esqueci-me que poderia prejudicar-me.
Quando esqueci os desgostos do passado para não sofrer no futuro, sofri na mesma.
Quando esqueci os meus sonhos, sofro porque me falta qualquer coisa.
Quando escolhi viver sem preocupações, elas caíram-me em cima da cabeça outra vez e a dobrar.

Agora, olhando para trás, pergunto-me: “De que serviu teres feito escolhas?”

Serviu para compreender que a vida só é e será cor-de-rosa para alguns. Os outros, os miseráveis que nasceram sem nada, com nada ficam mesmo que lutem que nem cães para emergirem do lodo em que nasceram. A sorte só pertence a alguns, aos que nasceram com o rabo voltado para a Lua. Eu nasci com o cú voltado para a Terra.

Mas o mais curioso é que a escolha mais importante da minha vida não foi tomada por mim. EU NÃO ESCOLHI NASCER! E mesmo no dia em que nasci, escolhi ficar lá dentro. Parecia que já adivinhava que ia ter uma vida de merda. Mas, mais uma vez, alguém escolheu por mim, pôs-me uns ferros na cabeça e puxou-me cá para fora. Bolas pá, se eu escolhi ficar lá dentro porque é que há sempre um filho da puta a trocar-me as voltas?
Esta vida é um labirinto. Por diferentes caminhos que tenhas para escolher, todos vão dar ao mesmo sítio. É como um círculo, não tem principio nem fim e lá andas tu, feita ursa, às voltas na jaula.

Devo ter sido muito má noutra encarnação. Ou então era judia! Como é possível que se possa sofrer o que se sofre nesta vida? Haverá outra explicação?

Bem sei que há pessoas a sofrer mais do que eu mas quero lá saber dos outros! É isso mesmo! Sou egoísta e depois? Alguém se preocupa com os meus problemas? Então porque é que tenho de me preocupar com os problemas dos outros? Os valores morais morreram há muito tempo, ao mesmo tempo que os heróis! Hoje em dia é uma selva. Salve-se quem puder! Quem não puder, azar, fosse esperto!

Isto é mesmo complicado. Além de não teres escolha ao nascer ainda tens de ser esperto para sobreviver! Grande lata a do gajo que inventou isto! Se o gajo tivesse estado quieto durante os 6 dias que diz que levou a fazer esta trampa, tinha feito melhor!

Ele é que escolheu por nós! Mas quem é que ele se julgou ao fazer as escolhas pelos mortais?

No fim de tanto pensar e tentar encontrar uma razão lógica para estes tropeços da vida, cheguei a uma conclusão:
Eu escolhi a Felicidade; a má-sorte escolheu-me a mim...